Campo Harmônico Menor: Guia Completo

Se você já entendeu como são formados os 3 tipos de Escala Menor, está na hora de entender o Campo Harmônico Menor, originado a partir dessas escalas.

Na verdade, podemos pensar também em Campo(s) Harmônico(s).

Lembra quando montamos o Campo Harmônico Maior?

Pegamos as notas da escala maior e montamos as Tétrades (1,3,5,7).

Faremos agora, a mesma coisa com o Campo Harmônico Menor, porém, como temos 3 Escalas Menores, teremos também 3 Campos Harmônicos diferentes.

Mas atenção!

Apesar de gerarmos 3 Campos Harmônicos, eles são pensados como um só!

[INSERT_ELEMENTOR id=”3346″]

Nunca vamos analisar uma música pensando somente nos acordes com Campo Harmônico da Menor Harmônica, por exemplo. Sempre iremos pensar nos acordes possíveis em todos os Campos Harmônicos do modo menor.

Isso quer dizer que teremos muito mais possibilidades de acordes dentro do Tom Menor, visto que teremos disponíveis todos os acordes gerados a partir das 3 variações da Escala Menor.

Como Montar o Campo Harmônico Menor?

Para montarmos o campo harmônico menor, basta pegarmos as notas da Escala Menor, que servirá como base, e gerar os acordes em cada grau a partir dela.

Vamos construí-los juntos, passo a passo:

  1. Montar as Escalas Menores;
  2. Montar os acordes dos 7 graus (utilizando 1, 3, 5, 7);
  3. Após montar esses acordes, observar quais tipos de acordes foram formados em cada grau e analisar os padrões gerados;

Passo 1: Montando as Escalas Menores

Vamos relembrar aqui a formação das Escalas Menores:

  • Escala Menor Natural

I – II – bIII – IV – V – bVI – bVII

  • Escala Menor Harmônica

I – II – bIII – IV – V – bVI – VII

  • Escala Menor Melódica

I – II – bIII – IV – V – VI – VII

Em Lá Menor, essas escalas ficariam assim:

Escala Menor harmonica

Passo 2: Montando os acordes dos 7 graus

Antes de começarmos, vou colocar aqui uma pequena legenda para ajudar vocês a interpretarem as imagens.

Na figura de cima:

  • As notas em azul são as notas que selecionamos (1, 3, 5, 7) e que vão entrar nos acordes.
  • As notas em preto são as que fazem parte da escala, porém, não entram no acorde em questão;
  • Observe que pensamos as notas sempre baseadas na escala de Lá menor (seja ela natural, harmônica ou melódica);

Na figura de baixo:

  • Quando geramos o acorde analisamos o que as notas selecionadas são em relação a fundamental (nota 1) do acorde;
  • Os acordes estão escritos na cor preta com suas respectivas cifras acima deles;

Menor Natural

Agora iremos gerar os acordes de cada um dos 7 graus, utilizando sempre as notas 1, 3, 5, 7 a partir da nota inicial.

Vamos, primeiro, montar os acordes resultantes da Escala Menor Natural!

Ela possui a seguinte Formação:

I – II – bIII – IV – V – bVI – bVII

Acorde do Grau I.

  • Em lá menor, a nota do Grau I é a nota Lá;
  • Pegando, a partir do Lá, as notas 1, 3, 5 e 7 temos as notas: Lá, Dó, Mi, Sol;
  • Lembrando sobre formação de acordes, o acorde gerado foi: Am7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau II.

  • Em lá menor, a nota do Grau II é a nota Si;
  • Pegando a partir do Si as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Si, Ré, Fá, Lá;
  • O acorde gerado foi: Bm7(b5);
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau bIII.

  • Em lá menor, a nota do Grau bIII é a nota Dó;
  • Pegando a partir do Dó as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Dó, Mi, Sol Si;
  • O acorde gerado foi: C7M;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau IV.

  • Em lá menor, a nota do Grau IV é a nota Ré;
  • Pegando a partir do Ré as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Ré, Fá, Lá, Dó;
  • O acorde gerado foi: Dm7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau V.

  • Em lá menor, a nota do Grau V é a nota Mi;
  • Pegando a partir do Mi as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Mi, Sol, Si, Ré;
  • O acorde gerado foi: Em7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau bVI.

  • Em lá menor, a nota do Grau bVI é a nota Fá;
  • Pegando a partir do Fá as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Fá, Lá, Dó, Mi
  • O acorde gerado foi: F7M;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau bVII.

  • Em lá menor, a nota do Grau bVII é a nota Sol;
  • Pegando a partir do Sol as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Sol, Si, Ré, Fá;
  • O acorde gerado foi: G7;
Campo Harmonico Menor

No final das contas, temos o seguinte Campo Harmônico resultante da Menor Natural:

Im7 –  IIm7(b5) –  bIII7M –  IVm7 –  Vm7 –  bVI7M – bVII7

Am7   – Bm7(b5)   – C7M   – Dm7   – Em7   –  F7M   – G7

Assim como temos os tons relativos maiores e menores nas escalas, temos também no Campo Harmônico.

Podemos pensar o Campo Harmônico Menor Natural como se fosse o Campo Harmônico Maior, só que começando a partir do sexto Grau. Contudo, nós quisemos mostrar pra vocês o porquê chegamos nessa formação.

Observações:

  • Note que, devido a ausência da Sensível (7M) o Campo Harmônico Menor não tem Grau V7;
  • O grau bVII7, apesar de ter estrutura de acorde dominante, não possui a função dominante, ou seja, não prepara o Grau I;
  • Assim como a Escala Menor Natura, o Campo Harmônico Menor Natural é Modal, o que não o impede de ser utilizado na Harmonia Tonal;

Menor Harmônica

Agora iremos gerar os acordes de cada um dos 7 graus da Menor Harmônica, utilizando sempre as notas 1, 3, 5, 7 a partir da nota inicial.

Ela possui a seguinte Formação:

I – II – bIII – IV – V – bVI – VII

Acorde do Grau I.

  • Em lá menor, a nota do Grau I é a nota Lá;
  • Pegando, a partir do Lá, as notas 1, 3, 5 e 7 temos as notas: Lá, Dó, Mi, Sol#;
  • Lembrando sobre formação de acordes, o acorde gerado foi: Am(7M);
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau II.

  • Em lá menor, a nota do Grau II é a nota Si;
  • Pegando a partir do Si as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Si, Ré, Fá, Lá;
  • O acorde gerado foi: Bm7(b5);
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau bIII.

  • Em lá menor, a nota do Grau bIII é a nota Dó;
  • Pegando a partir do Dó as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Dó, Mi, Sol# Si;
  • O acorde gerado foi: C7M(#5);
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau IV.

  • Em lá menor, a nota do Grau IV é a nota Ré;
  • Pegando a partir do Ré as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Ré, Fá, Lá, Dó;
  • O acorde gerado foi: Dm7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau V.

  • Em lá menor, a nota do Grau V é a nota Mi;
  • Pegando a partir do Mi as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Mi, Sol#, Si, Ré;
  • O acorde gerado foi: E7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau bVI.

  • Em lá menor, a nota do Grau bVI é a nota Fá;
  • Pegando a partir do Fá as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Fá, Lá, Dó, Mi
  • O acorde gerado foi: F7M;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau VII.

  • Em lá menor, a nota do Grau VII é a nota Sol#;
  • Pegando a partir do Sol as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Sol#, Si, Ré, Fá;
  • O acorde gerado foi: G#°;
Campo Harmonico Menor

No final das contas, temos o seguinte Campo Harmônico resultante da Menor Harmônica:

Im(7M) – IIm7(b5) – bIII7M(#5) – IVm7 – V7 – bVI7M – VII°

Am(7M)   – Bm7(b5)   – C7M(#5)   – Dm7   – E7   –  F7M   – G#°

Observações:

  • Devido a adição da 7M alguns acordes mudaram;
  • Agora temos a presença da Sensível (7M), resultando num Grau V7, que possui tanto estrutura dominante quanto função dominante, preparando o Grau I;
  • Comparando o Campo Harmônico Menor Natural, os Graus ímpares são diferentes e os graus pares são iguais!

Menor Melódica

Agora iremos gerar os acordes de cada um dos 7 graus da Menor Melódica, utilizando sempre as notas 1, 3, 5, 7 a partir da nota inicial.

Ela possui a seguinte Formação:

I – II – bIII – IV – V – VI – VII

Acorde do Grau I.

  • Em lá menor, a nota do Grau I é a nota Lá;
  • Pegando, a partir do Lá, as notas 1, 3, 5 e 7 temos as notas: Lá, Dó, Mi, Sol#;
  • Lembrando sobre formação de acordes, o acorde gerado foi: Am(7M);
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau II.

  • Em lá menor, a nota do Grau II é a nota Si;
  • Pegando a partir do Si as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Si, Ré, Fá#, Lá;
  • O acorde gerado foi: Bm7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau bIII.

  • Em lá menor, a nota do Grau bIII é a nota Dó;
  • Pegando a partir do Dó as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Dó, Mi, Sol# Si;
  • O acorde gerado foi: C7M(#5);
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau IV.

  • Em lá menor, a nota do Grau IV é a nota Ré;
  • Pegando a partir do Ré as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Ré, Fá#, Lá, Dó;
  • O acorde gerado foi: D7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau V.

  • Em lá menor, a nota do Grau V é a nota Mi;
  • Pegando a partir do Mi as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Mi, Sol#, Si, Ré;
  • O acorde gerado foi: E7;
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau VI.

  • Em lá menor, a nota do Grau VI é a nota Fá#;
  • Pegando a partir do Fá as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Fá#, Lá, Dó, Mi
  • O acorde gerado foi: F#m7(b5);
Campo Harmonico Menor

Acorde do Grau VII.

  • Em lá menor, a nota do Grau VII é a nota Sol#;
  • Pegando a partir do Sol as notas 1, 3, 5 e 7, temos as notas: Sol#, Si, Ré, Fá#;
  • O acorde gerado foi: G#m7(b5);
Campo Harmonico Menor

No final das contas, temos o seguinte Campo Harmônico resultante da Menor Melódica:

Im(7M) – IIm7 – bIII7M(#5) – IV7 – V7 – VIm7(b5) – VIIM7(b5)

Am(7M)   – Bm7   – C7M(#5)   – D7   – E7   –  F#m7(b5)  – G#m7(b5)

Observações:

  • Devido a adição da 6M, junto a 7M, alguns acordes mudaram;
  • Continuamos com a presença do Grau V7, que possui tanto estrutura dominante quanto função dominante, preparando o Grau I;
  • Comparando o Campo Harmônico da Menor Harmônica, os Graus ímpares são Iguais (com exceção do VII) e os graus pares são diferentes!

Passo 3: Tétrades Resultantes do Campo Harmônico Menor

Campo Harmonico menor

Lembre-se, sempre pensamos o Campo Harmônico Menor como um só! Nós aprendemos a formação dos 3 tipos separadamente, para facilitar nosso entendimento da origem deles.

Contudo, as músicas que possuem harmonias no tom menor devem ser analisadas pensando-se em todos os Campos Harmônicos ao mesmo tempo.

Colocando na Prática

Vamos utilizar uma música para você não ter dúvidas de como pensar as Harmonias em Tom Menor.

A primeira parte da música “While My Guitar Gently Weeps” dos Beatles é um exemplo simples e prático, veja a harmonia dela abaixo:

Analisando a Harmonia

Essa música está no tom de Am (lá menor). Vamos analisar acorde por acorde:

  • Am7: Grau Im7 de Lá Menor;
  • Am/G: Trata-se de um Am7 com baixo na nota “G”, o que não muda em nada seu papel. Sendo assim, esse acorde continua sendo o Grau Im7 de Lá menor;
  • F#m7(b5): Observe que esse acorde está presente no Campo Harmônico da Menor Melódica, portanto é o Grau VIm7(b5). Ele está dentro do Tom. Não é nada além disso!
  • F7M: Esse Acorde é o Grau bVI7M, pertencente ao Campo Harmônico da Menor Natural, portanto, também pertencente à tonalidade;
  • G: Esse acorde é o bVII7 com “7” foi retirada, sobrando uma tríade bVII. Ele está presente no Campo Harmônico Menor Natural;
  • D: Agora temos mais uma tríade que pode ser entendida com um IV7 (porém, sem a sétima), resultando apenas no IV. Esse acorde está vindo do Campo Harmônico da Menor Melódica.
  • C: Assim como no caso acima, temos uma tríade, o que não muda sua posição, nesse caso, de bIII, também do Menor Natural
  • E7: Esse acorde é o Grau V7, presente na Menor Harmônica. Note que ele está sempre ocorrendo antes do Am7, ou seja, ele está sempre preparando e concluindo no Grau I,o que chamamos de Cadência Perfeita.

[INSERT_ELEMENTOR id=”3810″]

Resumindo

Percebeu o que ocorreu aqui?

Nós nos valemos de todos os acordes disponíveis nos 3 Campos Harmônicos para analisar e entender o que ocorreu na música.

Em alguns momentos a música estava centrada na Menor Natural, passando algumas vezes para a Harmônica em e outros para a Melódica.

Não teve mudança de tom, empréstimo modal, dominante secundário, preparação “não sei das quantas”, nada disso!

Simplesmente é assim que funciona o tom menor, você tem as possibilidades dos 3 campos Harmônicos na hora de analisar, harmonizar e improvisar!

Obviamente você pode ter modulações e preparações diferentes, assim como ocorre no tom maior.

Entretanto, você tem que entender que o o que às vezes pode parecer algo mirabolante, é simplesmente, a música passeando pelas ricas possibilidades que o próprio tom menor já te traz.

Entendeu Tudo?

Não deixe de comentar suas opiniões e dúvidas. Sabemos que pode ser muita coisa para absorver no começo, mas com o tempo você vai dominar essas ideias.

Lembre-se, não existe pergunta burra, burrice é não perguntar!

Bônus

Lembre-se, para entender o Campo Harmônico Menor, é necessário dominar as Escalas Menores.

Portanto, preparei um presente para os guitarristas/violonistas…

Abaixo seguem vídeos com as digitações da Escala Menor Harmônica e Menor Melódica na guitarra.

Agora você não tem mais desculpa, é só clicar e cair dentro!

Mas e a Escala Menor Natural?!

Ora, as digitações da Escala Menor Natural serão as mesmas da Escala Maior, porém partindo de outro ponto de partida, de outra tônica.

Se você sabe fazer a Escala Maior em Dó, por exemplo, é só pensar no Relativo Menor (Lá menor) e aplicar os mesmo desenhos. A diferença é que sua tônica agora será Lá, ela é o centro da escala.

Grande abraço, bons estudos!

11 comentários em “Campo Harmônico Menor: Guia Completo”

    • Olá Isaias, tudo bem?
      No Campo Harmônico menor temos as 3 mesmas funções Harmônicas, porém ocorrem algumas diferenças nos acordes substitutos das funções.
      No Campo Harmônico Menor Natural o bVI7M é de função Subdominante. Pensando no tom de Lá Menor, a nota Fá (6m) possui essa característica de subdominante. O Vm7 é um acorde “Modal”(modo Frígio), ele não possui função harmônica. Já na menor Harmônica e Melódica, como temos a adição da 7M (a sensível) o Vm7 se transforma em V7 e aí ele passa a ter a função Dominante (por ter a sensível ta tonalidade). Foi bom você ter atentado a essa questão, pois nesse post acabamos que não comentamos sobre as funções Harmônicas. Vamos completá-lo com essa informação. Grande Abraço e qualquer dúvida é só falar.

      Responder

Deixe um comentário