Dicionário de Acordes para Guitarristas #1: Tétrades com 7M

Se eu pedir para todos os guitarristas que estão lendo este post tocarem um C7M, tenho certeza que 90% irão montá-lo com este formato:

Veja bem, não há nada de errado com isso.

Isso é, de fato, um C7M.

A questão aqui é que existe um mundo inteiro de possibilidades para montarmos esse mesmo acorde.

E o mais legal disso é que, por mais que sejam o mesmo acorde, eles acabam soando “diferente”, pois cada um possui um “voicing”, ou seja, uma ordem diferente de se colocar as notas.

Expandindo a Caixinha de Ferramentas

Considero a temática de montagem nos acordes uma das mais essenciais na guitarra.

Ás vezes ficamos presos horas e horas tentando achar maneiras de embelezar ou criar músicas com sonoridades diferenciadas…

Temos a tendência a procurar tensões, escalas exóticas e outros recursos, muitas vezes, complicados para jogar um “tempero” nas músicas.

A verdade é que, na maioria dos casos, basta executarmos um mesmo acorde de forma diferente e o resultado acaba sendo extremamente satisfatório.

Algo simples, como uma inversão ou uma mudança no voicing…

Ás vezes apenas isso, já é o suficiente para criar aquele  som único que queremos.

Primeiro Capítulo do Dicionário de Acordes: Tétrades de 7M.

Hoje vou mostrar pra vocês como montar os Acordes de 7M em todas as inversões possíveis na guitarra com baixos na 6°,na 5° e depois na 4°.

Lembrando que é essencial que você saiba como são formadas as Tétrades em nosso post Formação de Acordes.

Caso você já saiba, pode seguir adiante no vídeo abaixo:

Lembrando rapidamente, os acordes de 7M possuem as seguintes notas em sua formação:

F – 3M – 5J – 7M

A ideia principal aqui é “embaralhar” essas notas criando inversões e diferentes voicings para essa mesma formação.

Iremos fazer isso utilizando os baixos na 6° corda. Depois faremos a mesma coisa com baixos na 5° e novamente na 4°.

Acordes com Baixo na 6° Corda

Vamos pensar aqui que cada acorde possui 4 notas diferentes. (bem óbvio já que são tétrades, né?rs).

Para os acordes com baixo na 6° corda iremos utilizar o seguinte padrão (
Independente de que nota ocorra no baixo :

  • Iremos sempre tocar a primeira nota da tétrade do acorde na 6° corda;
  • a quarta nota da tétrade na 4° corda;
  • a segunda nota da tétrade na 3° corda;
  • a terceira nota da tétrade na 2° corda;

É exatamente isso que você leu…

A ordem das notas que aparecem na tétrade seria assim: 1, 4, 2 e 3.

Utilizamos esse padrão, pois a distribuição das notas no braço da guitarra dificulta muito na hora de montar os acordes utilizando as notas na ordem “correta”(1, 2 ,3 ,4).

Estado Fundamental

Aplicando nosso padrão nos acordes com baixo na própria fundamental, teremos o seguinte voicing (exemplo em C7M):

F – 7M – 3M – 5J

C – B – E – G

Sendo Dó a nossa primeira nota, ela irá entrar na 6 corda.

Agora, temos que pegar o que seria a nossa quarta nota da tétrade e jogar ela na quarta corda (como se ela fosse agora a segunda nota). Essa nota é o Si.

Depois temos que pegar o que seria a nossa segunda nota da tétrade e jogar na terceira corda (como se ela fosse agora a terceira nota) : o Mi.

Por fim, temos que pegar o que seria a terceira nota da tétrade e jogar na segunda corda (como se ela fosse agora a quarta nota) : a nota Sol.

Repare que utilizamos as mesmas notas da Tétrade, apenas alteramos a ordem delas:

  • Sem alteração no voicing (também conhecida como formato cerrado):

F – 3M – 5J – 7M

  • Com alteração no voicing (formato aberto):

F – 7M – 3M – 5J

Lembra que eu falei anteriormente que a guitarra dificulta a execução das tétrades na forma cerrada? Tente executar no formato cerrado e veja a “aranha” que vai dar…

É muito melhor executar esse acorde como o segundo voicing, o aberto.

1° Inversão:

Como aprendemos em formação de acorde a primeira inversão de acordes X7M possui o baixo na terça maior.

Portanto, agora a terça menor será a primeira nota do acorde.

Se fossemos pegar a terça menor e montar o resto do acorde seguindo a ordem “correta” das notas, teríamos a seguinte formação:

3M – 5J – 7M – F

O problema é que, novamente, essa formação cerrada é extremamente difícil, portanto vamos utilizar nosso padrão para montá-la de outra maneira.

A terça maior será colocada na sexta corda, pois ela é nosso novo baixo.

Agora a fundamental, que seria a última nota nessa inversão, será nossa segunda nota e entrará na quarta corda.

Já a quinta justa, que seria nossa segunda nota, será a terceira e irá entrar na terceira corda.

Finalizando, a sétima maior que seria nossa terceira nota, será a gora a última e irá entrar na segunda corda.

Como resultado temos o seguinte voicing:

3M – F – 5J – 7M

E – C – G – B

2° Inversão:

Como aprendemos em formação de acorde a segunda inversão de acordes X7M possui o baixo na quinta justa.

Portanto, agora a quinta justa será a primeira nota do acorde.

Se fossemos pegar a quinta justa e montar o resto do acorde seguindo a ordem “correta” das notas, teríamos a seguinte formação:

5J – 7M – F – 3M

Não preciso repetir que essa formação cerrada é extremamente difícil, portanto vamos utilizar nosso padrão para montá-la de outra maneira.

A quinta justa será colocada na sexta corda, pois ela é nosso novo baixo.

Agora a terça maior, que seria a última nota nessa inversão, será nossa segunda nota e entrará na quarta corda.

Já a sétima maior, que seria nossa segunda nota, será a terceira e irá entrar na terceira corda.

Finalizando, a fundamental que seria nossa terceira nota, será a gora a última e irá entrar na segunda corda.

Como resultado temos o seguinte voicing:

5J – 3M – 7M – F

G  –  E  – B  –  C

3° Inversão:

Como aprendemos em formação de acorde a terceira inversão de acordes X7M possui o baixo na sétima maior.

Portanto, agora a sétima maior será a primeira nota do acorde.

Se fossemos pegar a sétima maior e montar o resto do acorde seguindo a ordem “correta” das notas, teríamos a seguinte formação:

7M – F – 3M 5J

Não preciso repetir que essa formação cerrada é extremamente difícil, portanto vamos utilizar nosso padrão para montá-la de outra maneira.

A sétima maior será colocada na sexta corda, pois ela é nosso novo baixo.

Agora a quinta justa, que seria a última nota nessa inversão, será nossa segunda nota e entrará na quarta corda.

Já a fundamental, que seria nossa segunda nota, será a terceira e irá entrar na terceira corda.

Finalizando, a terça maior, que seria nossa terceira nota, será a gora a última e irá entrar na segunda corda.

Como resultado temos o seguinte voicing:

7M – 5J – F – 3M

B –  G –  C  –  E

Acordes com Baixo na 5° Corda

Para os acordes com baixo na quinta corda também iremos alterar o voicing para criar novas sonoridades.

Porém, a lógica é mais simples.

Iremos simplesmente pegar a nota que seria a segunda dentre as 4 da tétrade e jogá-la para a ponta (será a última nota).

Portanto, as comparando os formatos cerrados com as inversões, teríamos:

Estado Fundamental: Ao invés de F – 3M – 5J – 7M – F, temos: F – 5J – 7M – 3M

1° Inversão: Ao invés de 3M – 5J – 7M – F, temos: 3M – F – 5J – 7M

2° Inversão: Ao invés de 5J – 7M – F – 3M, temos: 5J – F – 3M – 7M

3° Inversão: Ao invés de 7M – F – 3M – 5J, temos: 7M – 3M – 5J – F

Acordes com Baixo na 4° Corda

A boa notícia é que para os acordes com baixo na quarta corda teremos a mesma lógica dos acordes com baixo na quinta!

Iremos simplesmente pegar a nota que seria a segunda dentre as 4 da tétrade e jogá-la para a ponta (será a última nota).

Portanto, as comparando os formatos cerrados com as inversões, teríamos:

Estado Fundamental: Ao invés de F – 3M – 5J – 7M – F, temos: F – 5J – 7M – 3M

1° Inversão: Ao invés de 3M – 5J – 7M – F, temos: 3M – F – 5J – 7M

2° Inversão: Ao invés de 5J – 7M – F – 3M, temos: 5J – F – 3M – 7M

3° Inversão: Ao invés de 7M – F – 3M – 5J, temos: 7M – 3M – 5J – F

Como Praticar Tudo Isso?

Agora que você já sabe como montar os acordes em diferentes formatos e inversões, tomando como base a tonalidade de Dó maior, você deve fazer o mesmo em outros tons.

Por exemplo, vamos pensar em Fá.

Primeiramente monte no papel as Tétrades de F7M no Estado Fundamental e depois em todas as Inversões, sem alterar a ordem.

A partir daí comece a trabalhar por corda na guitarra.

Pratique as tétrades (Estado Fundamental e Inversões) com baixo na 6° corda utilizando o padrão que ensinamos mais acima (com os voicings abertos).

Depois faça o mesmo com os baixos na 5°e na 4° corda.

Faça isso em todas as 12 tonalidades.

Você vai ver que seu dicionário de acordes irá se multiplicar de uma forma incrível.

E estamos falando apenas das Tétrades com 7M.

Em breve teremos aqui a continuação do nosso dicionário ensinando as Tétrades Dominantes, menores com sétima, meio diminutas, diminutas…enfim.

Dominar esses acordes em diferentes regiões e formatos te dá uma poderosa ferramenta para colorir as músicas que você pratica.

Fique ligado em nossas dicas e não se esqueça de se inscrever em nosso canal do youtube!

Lá nós temos uma playlist exclusiva para guitarristas, ensinando a fazer não apenas acordes, mas escalas e arpejos, além de diversas dicas sobre teoria musical.

Grande Abraço,

Bons Estudos!

Deixe um comentário