Dicionário de Harmonia – Guia do Essencial Para Músicos

Compartilhe a Música

Muitas vezes estamos ensaiando com os amigos, ou mesmo pesquisando na internet, e nos deparamos com alguns termos referentes a música e harmonia um pouco incomuns e que podem ser novidade para muita gente.
Para ajudar a você que muitas vezes acaba perdendo tempo procurando em diversos locais esses termos desconhecidos, nós preparamos um Dicionário Harmônico completo com os termos essenciais referentes aos principais tópicos da teoria musical.
dicionário

Como funciona?

Nosso objetivo é ajudar a você, que está começando a aprender a teoria musical, à consolidar certos conceitos básicos que normalmente são necessários para entendermos outros conteúdos.
Portanto, dividimos esse dicionário em 4 partes:

  1. Termos Iniciais – Aqui estão os conceitos mais básicos e introdutórios que você deverá tomar conhecimento;
  2. Escalas – Aqui temos os termos referentes ao assunto de escalas;
  3. Acordes – Aqui temos os conceitos que envolvem o estudo da formação dos acordes;
  4. Campo Harmônico – Aqui temos os termos que envolvem o estudo do campo harmônico;

Além do dicionário, colocamos também os links para os posts completos dos principais assuntos  de teoria musical e harmonia encontrados aqui. Caso você queira se aprofundar em determinado tópico, vale a pena conferir-los!
 

Parte 1 – Termos Iniciais de Teoria Musical

  • Nota – é o resultado da agitação de moléculas de ar.
    Estas vibrações são captadas e processadas pelos nossos ouvidos e interpretados como
    som. O que difere uma nota de outra, é a sua frequência.
  • Melodia – Sequência de notas individuais tocadas sucessivamente;
  • Acorde – Sequência de notas tocadas ao mesmo tempo;
  • Cifras – Letras utilizadas para representar as notas e acordes musicais;
  • Harmonia – Pode ser entendida como um encadeamento (progressão) de acordes que buscam acompanhar uma melodia;
  • Ritmo – Sucessão de sons e pausas em uma música, responsável por gerar a sensação de movimento.
  • Tempo – Pulsações responsáveis por marcar o ritmo;
  • Compasso – Divisão da música em trechos menores, que se repetem de forma padronizada. Identificamos os compassos de acordo com o número de tempos que ele possui;
  • Semitom* – É a menor distância entre duas notas musicais;
  • Tom – Corresponde ao dobro do Semitom;
  • Sinais de Alteração – Símbolos adicionados ao lado das notas que adicionam ou reduzem semitons ou tons, gerando outras notas;

*Obs.: Cada instrumento tem sua própria forma de distribuir os semitons. Nos instrumentos de cordas eles correspondem a distância de 1 (uma) casa, nos instrumentos de teclas correspondem à distância de uma tecla para outra, etc…
A teoria musical é universal, a aplicação em cada instrumento é particular!

Parte 2 – Escalas

  • Escala – São como uma “família” de notas. Estas notas se sucedem consecutivamente de maneira ascendente (do mais grave para o mais agudo) ou descendente (do mais agudo para o mais grave). , o que diferencia uma escala de outra é a disposição de seus intervalos;
  • Intervalo – Distância entre duas notas musicais. São responsáveis por definir diversas escalas e diferentes tipos de acordes;
  • Tônica – Primeiro Grau de uma escala. É a nota central que faz com que as outras notas “girem em torno dela”;
  • Sensível – Corresponde ao Sétimo Grau da Escala maior. Grau responsável por gerar  sensação de preparação e expectativa;
  • Notas de Acorde – Notas da escala que estão presentes no acorde que ocorre ao fundo;
  • Notas de Tensão – Notas da escala que não estão dentro do acorde que ocorre ao fundo, porém, por serem da escala, ainda fazem parte da tonalidade;
  • Armadura de Clave – É o nome do conjunto de acidentes que se encontram ao lado da clave do pentagrama. Ela tem a função de indicar as notas que devem ser executadas um semitom acima ou abaixo do seu valor natural;
  • Ciclo das Quartas – Os ciclos são sucessões de notas musicais separadas por intervalos regulares. No Ciclo das Quartas suas notas são separadas pelo quarto grau das escalas. Ele nos ajuda a montar as escalas maiores que possuem os bemóis  como acidente;
  • Ciclo das Quintas – Sucessão de notas separadas pelo quinto grau das escalas. Ele nos ajuda a montar as escalas maiores que possuem os sustenidos como acidente;

Parte 3 – Acordes

  • Tríade – Acorde formado por três notas diferentes;
  • Tétrade – Acorde formado por quatro notas diferentes;
  • Fundamental – Nota que dá nome ao acorde. Corresponde ao nota do Grau I da escala que originou o acorde;
  • Baixo – Nota mais grave do acorde;
  • Inversão de Acorde – Quando a nota mais grave do acorde é qualquer outra que não seja a Fundamental;
  • Voicing – Forma como as notas do acorde estão distribuídas;
  • Acordes Abertos – Temos um acorde Aberto quando há a possibilidade de inserir uma ou mais notas do acorde, entre as demais;
  • Acordes Fechados – Quando não podemos inserir nenhuma nota do acorde entre as demais, temos um acorde Cerrado (Fechado);
  • Notas de Tensão – Notas utilizadas para dar brilho, ou “sabor”, diferenciado ao acorde;
  • Trítono – Intervalo de 3 tons encontrado entre a 4J e a 7M da escala. Este intervalo gera uma sensação de tensão e aumenta a ideia da preparação para o acorde seguinte;

Parte 4 – Harmonia

  • Harmonia Tonal – Centrada da ideia de preparação, expectativa e possível conclusão. Nela, cada acorde é analisado de acordo com sua função e papel dentro de um contexto;
  • Harmonia Modal – Harmonia mais “livre” no que diz respeito ao papel dos acordes. Baseada nos modos gregos onde cada um possui uma característica sonora própria e não possuem a ideia de preparação;
  • Campo Harmônico – Família de acordes formada a partir das notas de uma escala;
  • Funções Harmônicas – Característica sonora dos acordes pertencentes ao campo harmônico;
  • Tônica – Acordes que possuem a sensação de repouso e estabilidade;
  • Subdominante – Acordes que possuem a sensação de movimento e alguma instabilidade;
  • Dominante – Acordes que possuem a sensação de expectativa e preparação, com muita instabilidade;
  • Cadência Harmônica – As maneiras pelas quais terminamos (ou pontuamos) um trecho musical;
  • Preparação – Ideia central da harmonia tonal. Corresponde aos acordes de Grau V no campo harmônico. Ela pode ser concluída quando temos a passagem do V para o I, ou não concluída quando o V vai para outro acorde que não seja o I;
  • Acordes Dominantes – Acordes de Grau V7 que possuem a função de preparar o Grau I;
  • Estrutura Dominante – Acorde que possuem estrutura dominante (F, 3, 5 e b7), porém, estão preparando o Grau I. Veja sobre escalas menores, para entender melhor;
  • Função Dominante – Acordes que possuem estrutura dominante preparam o Grau I;
  • Two Five – Sequência muito popular de acordes em que o Grau V7 é desmembrado em IIm7 – V7 para gerar a ideia de movimento e preparação;
  • Dois Cadencial – Refere-se ao IIm7 da sequência “Two Five”;
  • Dominante Secundário – Acordes que preparam qualquer outro acorde do Campo Harmônico que não seja o Grau I;
  • Sub V7 – Acordes substitutos do V7. Correspondem aos acorde localizados uma 5dim do acorde V7;
  • Aproximação – Quando não queremos preparar um acorde, podemos chegar nele através de outro caminho, que são as aproximações. Podem ser Diatônicas, Cromáticas, ou diminutas;
  • Linha Interna – Movimento cromático de notas subindo e/ou descendo dentro de um mesmo acorde ou em uma progressão de acordes;
  • Contraponto – sobreposição de duas ou mais linhas melódicas que se “dialogam” em uma composição;
  • Empréstimo Modal – Acordes emprestadas de tons em outros modos diferentes do tom original. Em tom maior pede-se emprestado acordes do tom menor, ou de modos gregos, em tom menor pede-se acordes emprestados do tom maior;
  • Modulação – Sequencia de acordes capaz de caracterizar a mudança de tom de uma música;

Construa Conosco

Esperamos que esse dicionário facilite sua vida e consolide seus conhecimentos sobre teoria musical. Pode consultá-lo sempre que necessário.
Não hesite em comentar outros termos que não estejam aqui para podermos completá-lo cada vez mais!
Para se aprofundar mais nos assuntos de teoria musical, acesse nosso canal do YouTube e assista nossas videoaulas!

2 comentários em “Dicionário de Harmonia – Guia do Essencial Para Músicos”

  1. Excelente. A duras penas consegui distinguir a noção de intervalo aplicado à escala e depois aos acordes, pela coincidência de particularidades entre eles, mas ao observar essas definições neste dicionário, eu vi que teria sido bem mais fácil se eu tivesse acesso a ele antes. Valeu!!

    Responder
    • O importante é que você se esforçou e conseguiu aprender!!
      Ficamos muito felizes em saber que o nosso conteúdo foi útil pra auxiliar no seu entendimento.
      Um grande abraço e bons estudos!!

      Responder

Deixe um comentário